quinta-feira, 30 de abril de 2009

José "Zeca" Afonso, o cantor da revolução - 2º Bach - 08-09

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (1929-1987) conhecido como Zeca Afonso, ou simplesmente Zeca, compositor y músico. Foi um compositor de canção de protesta. Compus música contra a ditadura de Salazar (O Estado Novo como eles a chamavam).O carácter da ditadura foi fascista e esteve em Portugal desde 1933 até 1974.

É um dos músicos mais importantes de Portugal e anos depois da sua morte permanece com um alto número de ventas tanto em Portugal como no estrangeiro.

Compús a canção Grândola Vila Morena que foi a senha de identidade para o início da Revolução dos Cravos (25 de Abril de 1975).


Infância:
Nasceu em Aveiro e aos 3 anos foi viver para Angola, ali se impregnou da música africana e isso pode observar-se na sua música.
Juventude:

Volta para Aveiro e finaliza os seus estudos. En Coimbra começa a cantar e no ano 1958 graba o seu primeiro disco.
Mais tarde volta para Moçambique e ajuda aos africanos contra as ideias dos colonos. Entre o ano 1967 e 1970 radicaliza as suas ideias contra o regime de Salazar e tem um intenso contacto com o Partido Comunista Português.


Canção: Grândola, vila morena
Grândola, vila morena

Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade.

Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade


Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra de uma azinheira
Que já não sabia idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade


Grândola a tua vontade

Jurei ter por companheira
À sombra de uma azinheira
Que já não sabia idade

Canción: Grándola, villa morena (traducida al español)

Grándola, villa morena
Tierra de la fraternidad
El pueblo es quien más ordena
Dentro de ti, oh ciudad


Dentro de ti, oh ciudad
El pueblo es quien más ordena
Tierra de la fraternidad
Grándola, villa morena

En cada esquina un amigo
En cada rostro igualdad
Grándola, villa morena
Tierra de la fraternidad

Tierra de la fraternidad
Grándola, villa morena
En cada rostro igualdad
El pueblo es quien más ordena

A la sombra de una encina
que ya no sabía su edad
juré tener por compañera
Grándola tu voluntad

Grándola tu voluntad
juré tener por compañera
a la sombra de una encina
que no sabía ya su edad

Mais outra canção do José Afonso, mais conhecido como o Zeca.
Os Vampiros


terça-feira, 28 de abril de 2009

25 de Abril - Revolução dos Cravos - 2º Bach

O que foi? Um movimento militar das forças armadas, que na madrugada de 25 de abril de 1974 derrubou o regime fascista em Portugal, que já prevalecia há quase meio século.

O levantamento, também conhecido pelos portugueses como 25 de Abril, foi conduzido em 1974 pelos oficiais intermédios da hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte capitães que tinham participado na Guerra Colonial. Considera-se, em termos gerais, que esta revolução trouxe a liberdade ao povo português (denominando-se "Dia da Liberdade" o feriado instituído em Portugal para comemorar a revolução).


O
cravo vermelho tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974; Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, solidários com os soldados revoltosos; alguém começou a distribuir cravos vermelhos para os soldados, que depressa os colocaram nos canos das espingardas.

Consequências:

No dia seguinte, forma-se a Junta de Salvação Nacional, constituída por militares, e que procederá a um governo de transição. O essencial do programa do MFA é, amiúde, resumido no programa dos três D: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver. Entre as medidas imediatas da revolução contam-se a extinção da polícia política (PIDE/DGS) e da Censura. Os sindicatos livres e os partidos foram legalizados.